ULTIMAS NOTICIAS

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Denúncia contra Temer é 'farsa', denuncia advogado

Quinta-feira, 05 de setembro de 2017
O advogado do presidente Michel Temer apresentou nesta quarta-feira à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) a defesa do chefe de Estado, acusado de comandar uma organização criminosa junto a outros políticos e de tentar obstruir a Justiça.

"Trata-se de uma farsa em forma de acusação", afirmou o advogado Eduardo Carnelós em um comunicado após entregar a defesa por escrito à CCJ, encarregada de analisar a denúncia antes de enviá-la ao plenário da Câmara dos Deputados.

"Está amparada única e exclusivamente em declarações prestadas por delatores que se revelaram malfeitores confessos", acrescentou.

Junto aos ministros Moreira Franco, da Secretaria-Geral da Presidência, e Eliseu Padilha, chefe da Casa Civil, ambos do PMDB, Temer é acusado de integrar uma organização criminosa que desviou dinheiro público em troca de propinas milionárias, assim como de tentar obstruir procedimentos judiciais.

Temer se tornou em junho o primeiro presidente em exercício no Brasil a ser denunciado por um crime comum, naquele momento de corrupção passiva, mas salvou sua pele na Câmara dos Deputados, onde conta com ampla maioria.

"Essa segunda denúncia é apenas um desdobramento daquele processo viciado", afirmou nesta quarta o seu advogado.

Tanto o primeiro caso como grande parte do que agora está em andamento foram fundamentados nas delações dos irmãos Wesley e Joesley Batista, donos da JBS. Os irmãos Batista envolveram Temer em um acordo que assinaram com a Justiça em troca de imunidade, mas as autoridades descobriram que esconderam informação e ambos estão presos.

As duas denúncias foram formuladas pelo ex-procurador da República Rodrigo Janot, que deixou o seu cargo mandato em setembro.

Na terça-feira, Temer se reuniu com mais de 40 deputados, o que renovou as críticas já recebidas durante o primeiro processo, quando seus opositores lhe acusaram de ter negociado votos em troca de liberar fundos públicos a quem o apoiasse.

A comissão, que começará a analisar a segunda denúncia, fica encarregada de elaborar uma recomendação não vinculante ao plenário, em uma fase que deve durar entre duas e três semanas, segundo a assessoria de imprensa da Câmara dos Deputados.

Para que o processo chegue ao Supremo Tribunal Federal (STF) deverá ser aprovado por 342 dos 513 deputados. Se chegar a esta instância, o tribunal decidirá se arquiva o caso ou o leva a julgamento, o que afastaria o presidente de seu cargo por até seis meses.

Se for considerado culpado, será destituído. Do contrário, retomará seu mandato até 1º de janeiro de 2019.



AFP

Perfil de ""

Formado em radialismo,Cursou A FUNETECE,Ensino médio Completo,E-mail: radialistasergiothiago@gmail.com.

Postar um comentário

 
Copyright © 2013 PORTAL CONTINENTAL
Design by | T