ULTIMAS NOTICIAS

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Cenário político: aliados admitem cassação de Michel Temer e avaliam nomes de Maia e Meirelles

Quarta-feira, 24 de maio de 2017
Com a piora do cenário político, aliados do presidente Michel Temer admitem, de forma reservada, que pode haver a cassação, pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), da chapa formada por ele e Dilma Rousseff na eleição de 2014.

Na manhã desta terça, ministros relataram  que Temer segue com a postura de enfrentar a delação da JBS. Ou seja, não pensa em renunciar nem trabalha com a possibilidade de sofrer impeachment.

A convicção de Temer sobre o impeachment tem razão de ser. Cabe ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), aliado do presidente, analisar os pedidos.

Oficialmente, Maia nega que o tema esteja em discussão na Câmara. Ele também tem reafirmado apoio ao presidente.

Mas, segundo deputados, Maia, sempre que questionado sobre isso, tem confidenciado a aliados que não será "pela sua caneta" que Temer cairá.

Mesmo diante da resistência de Temer, aliados do presidente admitem que o "fator Rocha Loures" e a prisão do ex-vice-governador do DF Tadeu Fillipelli (PMDB) complicam a governabilidade do presidente. E assessores fazem a seguinte conta: calculam que três dos sete ministros do TSE cassariam a chapa.

Diz um interlocutor do Planalto: "Três votos contra é certeza. A dúvida é o quarto ministro. Só que antes não havia dúvidas, agora sim."

Nomes
Nas discussões de bastidor, os nomes debatidos pelos aliados de Temer - em caso de eleições indiretas, como prevê a Constituição - são, principalmente, os de Rodrigo Maia e do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

Quem defende Maia diz que ele tem interlocução com a oposição e representaria o mesmo grupo político de Temer - para justificar que ele "herdaria" a base de apoio no Congresso.

Pesa contra Maia, na avaliação dos mesmos aliados, o fator Lava Jato. Ele é alvo de dois inquéritos autorizados por Edson Fachin.

Um dos personagens políticos que articula o nome de Maia como candidato diz que, se ele assumir a presidência da República, não poderá ser investigado.

Pela Constituição, o presidente da República só pode ser investigado por atos cometidos durante o exercício do mandato e com autorização do STF.

E Maia é acusado de crimes que teriam acontecido entre 2010 a 2014.

Uma ala do Planalto, por sua vez, defende o nome de Henrique Meirelles. Hoje ministro da Fazenda, a avaliação de defensores dele é que Meirelles tem respeito do mercado e garantiria a continuidade da agenda da pauta fiscal - principalmente as reformas.

Ventilado nos bastidores do governo está também o nome da ministra Carmen Lúcia. Mas a presidente do STF afasta a ideia a interlocutores. Ela tem negado, a quem a questionou nos últimos dias, qualquer intenção de se candidatar.

Ela repete ser um "delírio", "sem chance" e diz que não teria correspondência com sua trajetória no Judiciário.

Argumenta, também, que hoje o lugar que ela precisa estar é a presidência do STF para garantir o cumprimento da Constituição.

Além disso, a ministra teria de ser filiada a algum partido político - já que não se aceita candidatura avulsa.



G1 - Andréia Sadi

Perfil de ""

Formado em radialismo,Cursou A FUNETECE,Ensino médio Completo,E-mail: radialistasergiothiago@gmail.com.

Postar um comentário

 
Copyright © 2013 PORTAL CONTINENTAL
Design by | T