ULTIMAS NOTICIAS

segunda-feira, 3 de julho de 2017

AVC e embolia pulmonar provocaram 365 mortes na PB

Segunda-feira, 03 de julho de 2017
O AVC e a embolia pulmonar, juntos, mataram em média dois paraibanos por dia em 2017. No total, desde 2015, já foram registrados 2.445 óbitos no Estado em decorrência destes problemas. Somente em João Pessoa, 54 pessoas morreram em decorrência de Acidente Vascular Cerebral do tipo isquêmico (AVC) e embolia pulmonar em João Pessoa este ano. Conforme os dados da Secretaria Municipal (SMS), de 2007 até este ano foram 182 mortes ocasionadas por embolia pulmonar e 1.068 por AVC registradas na cidade.

Entre as causas comuns desses dois problemas graves está a formação de coágulos no sangue e, posteriormente, o risco do trombo. O neurologista e assistente da divisão de clínica neurológica do Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Mauricio Hoshino, lembra que os fatores de risco para a formação de coágulos são principalmente causas genéticas, tabagismo, doenças cardíacas e obesidade. O problema no coágulo acontece quando esse se desprende da parede da veia e passa a circular pela corrente sanguínea.

Dependendo do tamanho e forma, ele pode se prender novamente a parede de uma veia ou artéria, causando graves complicações. Ele lembra que a trombose do tipo venosa é a que mais apresenta sinais físicos que podem indicar uma situação mais grave, como inchaço, dores e vermelhidão em apenas em uma das pernas (na região da panturrilha).

Contudo, este tipo ocorre em menos de 30% dos casos. Normalmente, a trombose profunda é a mais comum e, geralmente, a pessoa não apresenta sintomas. Prevenção. Mulheres são mais vulneráveis aos problemas vasculares

“Essa trombose afeta as veias mais profundas e pode ocorrer em após cirurgias ortopédicas, de prótese, quadril, joelhos, pacientes de UTI, quando a pessoa fica mais tempo em repouso. Por isso, em todas essas situações, são utilizados medicamentos profiláticos e anticoagulantes para que o coágulo não migre para outras partes do corpo e ou vá para o pulmão, causando a embolia pulmonar. O remédio não dissolve o coágulo, mas controla a situação”, explicou Maurício Hoshino.

Sobre a embolia pulmonar, o neurologista alertou que “a doença acontece da mesma forma que a trombose, no entanto a interrupção do fluxo sanguíneo nos vasos do pulmão compromete a oxigenação do sangue e a funcionalidade do órgão, causando tosse e dificuldade para respirar”.

O médico lembrou ainda que as mulheres são mais vulneráveis a desenvolver coágulos. Além dos fatores de risco já mencionados, as pacientes que fazem uso de anticoncepcionais ou tem problemas graves de circulação devem ficar atentas. “No caso das mulheres, a influência hormonal é um fator a mais que pode influenciar na formação de coágulos. Mas, vai depender do histórico da paciente e da medicação”, explicou o neurologista.



PBAgora

Perfil de ""

Formado em radialismo,Cursou A FUNETECE,Ensino médio Completo,E-mail: radialistasergiothiago@gmail.com.

Postar um comentário

 
Copyright © 2013 PORTAL CONTINENTAL
Design by | T