ULTIMAS NOTICIAS

domingo, 19 de janeiro de 2020

Acidentes com animais peçonhentos sobem 24,7% na PB em 2019

Domingo, 19 de janeiro de 2020
Acidentes com animais desse tipo foram incluídos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) na lista das doenças tropicais negligenciadas
Escorpiões estão envolvidos na maioria dos acidentes com animais peçonhentos (Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília)
Animais peçonhentos são aqueles que produzem peçonha (veneno) e têm condições naturais para injetá-la em presas ou predadores. O Ministério da Saúde elenca escorpiões, aranhas, serpentes, abelhas, lagartas e águas-vivas como os principais neste segmento. Os acidentes com animais desse tipo foram incluídos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) na lista das doenças tropicais negligenciadas que acometem, na maioria das vezes, populações pobres que vivem em áreas rurais.

Na Paraíba, segundo dados fornecidos pela Secretaria de Estado da Saúde, foram registrados 8.020 acidentes com animais peçonhentos em 2019, número que aumentou em comparação aos anos de 2017 e 2018, quando foram notificados 5.521 (45,3%) e 6.431 casos (24,7%), respectivamente.

Prevenção
De acordo com orientações do Ministério da Saúde, o risco de acidentes com animais peçonhentos pode ser reduzido caso sejam tomadas algumas medidas gerais e simples para prevenção. São elas:
-Usar calçados e luvas nas atividades rurais e de jardinagem;
-Examinar calçados, roupas pessoais, de cama e banho, antes de usá-las;
-Afastar camas das paredes e evitar pendurar roupas fora de armários;
-Não acumular entulhos e materiais de construção;
-Limpar regularmente móveis, cortinas, quadros, cantos de parede;
-Vedar frestas e buracos em paredes, assoalhos, forros e rodapés;
-Utilizar telas, vedantes ou sacos de areia em portas, janelas e ralos;
-Manter limpos os locais próximos das casas, jardins, quintais, paióis e celeiros;
-Evitar plantas tipo trepadeiras e bananeiras junto às casas e manter a grama sempre cortada;
-Limpar terrenos baldios, pelo menos na faixa de um a dois metros junto ao muro ou cercas.

O que fazer em acidentes com animais peçonhentos
Ainda conforme recomendações do Ministério da Saúde, em caso de acidente, a indicação é procurar atendimento médico imediatamente. O paciente deve informar ao profissional de saúde o máximo possível de características do animal, como tipo, cor, tamanho, entre outras. Se possível, e caso tal ação não atrase a ida do paciente ao atendimento médico, deve-se lavar o local da picada com água e sabão (exceto em acidentes por águas-vivas ou caravelas), mantendo a vítima em repouso e com o membro acometido elevado até a chegada ao pronto socorro.

Em acidentes nas extremidades do corpo, como braços, mãos, pernas e pés, deve-se retirar acessórios que possam levar à piora do quadro clínico, como anéis, fitas amarradas e calçados apertados.

Não se deve amarrar (fazer torniquete) o membro acometido e, muito menos, cortar e/ou aplicar qualquer tipo de substância (pó de café, álcool, entre outros) no local da picada.

Especificamente em casos de acidentes com águas-vivas e caravelas, primeiramente, para alívio da dor inicial, pode-se usar compressas geladas de água do mar (ou pacotes fechados de gelo envoltos em panos, se disponível). A remoção dos tentáculos aderidos à pele deve ser realizada de forma cuidadosa, preferencialmente com uso de pinça ou lâmina. É preciso procurar assistência médica para avaliação clínica do envenenamento e, se necessário, realização de tratamento complementar.

Além dessas indicações, é necessário que não se tente ‘chupar o veneno’, pois essa ação apenas aumenta as chances de infecção local. Veja aqui informações específicas sobre como devemos proceder em cada caso, com os diferentes tipos de animais.

Locais de referência
Em João Pessoa, o Centro de Assistência Toxicológica da Paraíba (Ceatox), situado no Hospital Universitário Lauro Wanderley, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) é o local de referência para o tratamento de acidentes envolvendo animais peçonhentos.

Apenas na unidade, em 2019, foram atendidos 2498 casos, sendo 2374 por acidentes com escorpiões, 48 com serpentes e 76 com aranhas. Assim como no restante do estado, o Ceatox também registrou crescimento das ocorrências totais, já que em 2018 foram 1401 atendimentos, sendo 1283 envolvendo escorpiões, 55 situações com serpentes e 63 com aranhas.

O Ministério da Saúde elenca outras unidades de referência espalhadas pela Paraíba. As instituições de saúde, bem como seus contatos e endereços podem ser encontrados neste link.





Por: Gustavo Medeiros

Perfil de ""

Formado em radialismo,Cursou A FUNETECE,Ensino médio Completo,E-mail: radialistasergiothiago@gmail.com.

Postar um comentário

 
Copyright © 2013 PORTAL CONTINENTAL
Design by | T