ULTIMAS NOTICIAS

domingo, 14 de junho de 2020

Vacina ‘gotinha’ da polio pode ser eficaz contra coronavírus, diz estudo

Domingo, 14 de junho de 2020
Em pequisa publicada na revista 'Science', especialistas sugerem que o imunizante pode conferir proteção temporária contra a Covid-19
Crianças com idade entre 1 ano e menores de 5, são vacinadas no posto de saúde Heitor Beltrão, na Tijuca, zona norte do Rio de Janeiro, para receber a dose contra a pólio e contra o sarampo - 06/08/2018 Tomaz Silva/Agência Brasil
vacina oral contra a poliomielite, a famosa gotinha, poderia conferir proteção temporária contra o novo coronavírus. É o que diz um estudo publicado quinta-feira na revista científica Science. De acordo com pesquisadores do Instituto de Virologia Humana da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, existem evidências de que vacinas já existentes, como a contra a poliomielite e a BCG – contra a tuberculose –, fornecem proteção contra uma ampla variedade de infecções, incluindo respiratórias.

A sugestão de estudo com a vacina contra a polio se deu porque “tanto o poliovírus quanto o coronavírus são vírus de RNA de cadeia positiva; portanto, é provável que possam induzir e ser afetados por mecanismos comuns de imunidade inata”, escreveram os autores.

A eficácia da vacina BCG contra o coronavírus já está em avaliação em estudos realizados nos Estados Unidos, na Holanda e na Austrália. A ideia de testar a proteção da BCG contra a Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, surgiu após pesquisas mostrarem que países que usam amplamente a vacina contra tuberculose têm uma taxa menor de infecções por coronavírus do que aqueles aqueles que não. Inclusive, a VEJA Saúde explica aqui mais detalhes sobre essa hipótese.

A ideia não é que essas vacinas possam prevenir completamente a Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, mas que elas possam ao menos diminuir a gravidade da doença e preparar o sistema imunológico inato para combater o vírus por um curto período de tempo. Com mais de 7 milhões de infectados no mundo e 425.593 mortes, isso já seria um grande avanço.

“Outras vacinas virais atenuadas, como as contra o sarampo e a varíola, também foram associadas a efeitos protetores inespecíficos pronunciados contra doenças infecciosas. Na África, quando a vacina contra o sarampo foi introduzida, a mortalidade geral em crianças diminuiu em mais de 50%, uma redução que foi muito maior do que o previsto com base na proteção somente contra mortes por sarampo”, escreveram os autores.

Tanto a vacina oral contra a poliomielite quanto a BCG usam uma versão enfraquecida do vírus ou da bactéria. Esse tipo de imunizante produz uma resposta imune forte e duradoura, segundo especialistas em vacinas. Entretanto, as desvantagens desse tipo de abordagem incluem a possibilidade de quem recebeu a vacina desenvolver a doença e o processo lento de fabricação, em comparação com estratégias modernas que usam apenas um pedaço de material genético do vírus, como as que estão sendo testadas atualmente por empresas americanas e europeias contra o novo coronavírus.

Em relação ao primeiro problema, os autores do estudo da Science afirmam que “o risco de complicações devido à VOP [vacina atenuada oral] é extremamente baixo”, cerca de uma em cada três milhões de doses administradas e, principalmente, em crianças imunocomprometidas. Sobre a produção, essas vacinas já são produzidas normalmente e bilhões de doses são aplicadas anualmente no mundo todo.





Por: Veja

Perfil de ""

Formado em radialismo,Cursou A FUNETECE,Ensino médio Completo,E-mail: radialistasergiothiago@gmail.com.

Postar um comentário

 
Copyright © 2013 PORTAL CONTINENTAL
Design by | T